segunda-feira, 31 de maio de 2010

Un belo día, que belo día!

DIVÃLOSOFANDO + DIVAGARTE
Mosaico com imagens do Cemitério Municipal de Guarapuava-Paraná, 
Fotografadas por Daniella Dal'Comune


“Un belo día, que belo día”¹. O céu azulzinho, o sol abrilhantando a vida. O dia sorri. O coração se preenche de uma alegria pura. Um dia tão lindo convida a sair, a agir. Assim, desperdiçar um dia maravilhoso também me enche de culpa se não for capaz de aproveitá-lo.  E por isso, às vezes, a beleza do dia me fere. Enquanto a chuva forte serve de consolo para minha inércia. No entanto, um belo dia de sol estampado no azul de um céu sereno com ares frios é ainda mais cheio de magia. Se está frio, a culpa diminui e a beleza permanece.  Flutuo pela ruazinha. É a alma que de tão leve me escapa o corpo. Sinto os pés no chão ora sim ora não.  A beleza do dia entorpece e transforma até como se vê as pequenezas do mundo. A vida é surreal. A Vida é poesia.
O olhar parece um radar detectando delicadeza e pintando um quadro a cada passo. Na busca de criar ou recriar pinturas, canções e cenas de filme que me são inspiradoras, chego aos parques da cidade, com lagoas e lagos coloridos pelo anil celeste. Essa busca algumas vezes me leva ao cemitério municipal. Flutuo pela ruazinha. As árvores parecem mais altas. Há uma serenidade, uma paz que paira. Um reconforto. O tempo que não urge. O silêncio que absorve. Entre túmulos, estátuas, flores e velas. O céu está azul, o sol está brilhando, pássaros estão cantando e eu sinto a face tocada pelo ar gélido. De repente, faço parte da cena, da melodia, da pintura, da magia. Estou viva e “o tempo não pára, não pára não”². Mas, naquele instante o tempo parece estar congelado. No fim, o tempo passa, mas o momento se eterniza em mim.
Olhar uma imagem é capacidade de qualquer pessoa que possua visão. Perceber sua beleza é capacidade de quem enxerga com o coração. Não confie nos olhos mais do que no coração. Pois, os olhos estão entre dois mundos. Mas o coração está sempre do lado de dentro.

1- Música : Um belo dia – Orishas.
2 – Música : O tempo não pára - Cazuza

Embora a letra de “Pet Sematery”  (Ramones) e “One headlight” (The Wallflowers) não  tenham  nada a ver com o texto  além da palavra cemitério, gosto muito de suas  melodias e as incluo como trilha. 


Texto e fofografias by Daniella Dal'Comune - 2010
 
Essa postagem foi feita especialmente para participar da segunda blogagem coletiva do Espaço Aberto:  http://migre.me/Ky2N

19 comentários:

Daniel Savio disse...

Interessante, mas lembrei da frase "o que é essêncial é invisivel aos olhos"...

Mas gostei mais a foto da flor.

Fique com Deus, menina Danizinha.
Um abraço.

Anne Lieri disse...

Dani,adorei sua participação!Muito diferente!Cemitério é mesmo um lugar silencioso e calmo!Gosto das histórias de cada pessoa no cemitério onde está enterrada minha familia.Sempre tem aquela tia que conta os casos dos que partiram.Parabens pelo texto e pela escolha da musica!Bjs e boa semana!

Carolina Filipaki disse...

Eu tenho fotos lindas de um cemitério em Buffalo, de quando fazia intercâmbio. Adorei relembrar dos meus passeios por lá vendo as suas fotos!
bjs

•.¸¸.•*♥*•.¸¸.• Sanzinha •.¸¸.•*♥*•.¸¸.• disse...

Dani,

Dias lindos foram mesmo feitos para serem aproveitados. E saber enxergar com o coração é uma dádiva.


Obrigada por participar com a gente.
Beijo grande!

Liene disse...

A vida é surreal e poesia... Duas definições tão plenas para algo tão grandioso. Não há maior serenidade do que o mosaico de fotos. A morte não é o fim. É a continuidade da vida...

Lindo post!!!

Obrigada por participar conosco desse momento tão especial!

Um abraço super carinhoso!

Manifesto Interno disse...

Sua leveza com as palavras, lembrou-me um dia ensolarado e clima tépido, típicos dessa época do ano,
sua maneira de fotografar a vida é peculiar e bonita,

Bjs!

Gilmar disse...

Preciso confessar-lhe que, em princípio, causou-me estranheza as fotos do cemitério. Talvez traumas trazidos na caminhada.
A pluralidade do que somos e a paz que não nos aflige já permitem, entretanto, enxergar pinceladas de tintas multicores redesenhando cenas que interagem com nossas buscas. Tudo faz parte e toma parte nas reconstruções que fazemos.
Ainda assim, não abdico do olhar. A primeira tradução da imagem acontece ali. Depois se aloja na razão ou no coração...
Voltarei, depois dessa maratona coletiva. Tudo que me instiga, também fascina.

Espaço Aberto disse...

Agradecemos a sua participação na Postagem Coletiva!
Venha conhecer o novo ganhador no Sorteio do livro e aproveitar para conhecer o nosso entrevistado. Uma pessoa maravilhosa que sentimos muito orgulho em poder chamar de Amigo!
Um abraço carinhoso

Namorados Etc e Tal... disse...

que coisa mais linda! adorei!!!

Deia disse...

Dani, você não sabe o que acabou de acontecer! Fui lendo suas doces palavras e, quando me dei conta, estava flutuando, pisando com um pé sim e outro não! rsrsrs Menina, que mão para escrever! Puxa, fotos lindas e texto brilhante! Um beijo, Deia

Nanda disse...

gostei! e muito!

orvalho do ceu disse...

Olá,
Oxalá não sejamos simples só após vida...
Abraços fraternais

♥ Evelin Pinheiro ♥ disse...

Linda...
obrigada pela visita e desculpa a demora pra responder "/
To sem net em casa e em final de semestre na facul.... é o bicho!
Fiz até uma postagem sobre isso!
Olha lá!
BjO da Eve*-*
http://www.evesimplesassim.blogspot.com/

VELOSO disse...

A vida é poesia viva a vida!

Tati Rodrigues disse...

Viver é saber apreciar com o coração, tens razão guria...

e seu olhar aqui fez uma magnífica combinação, fotos, texto e trilha sonora... canções excelentes, um cenário perfeito e uma caminhada que leva o leitor a acompanhar-te a cada passo... parabéns.

Prossigamos então. beijos.

Tati Rodrigues disse...

Viver é saber apreciar com o coração, tens razão guria...

e seu olhar aqui fez uma magnífica combinação, fotos, texto e trilha sonora... canções excelentes, um cenário perfeito e uma caminhada que leva o leitor a acompanhar-te a cada passo... parabéns.

Prossigamos então. beijos.

Espaço Aberto disse...

É com muita alegria que nós, do Espaço Aberto, viemos te convidar a participar do nosso primeiro Concurso Literário, a ser realizado no dia 12 de Junho, próximo sábado. Os interessados deverão fazer, nesse dia, um post em seus blogs, escrevendo sobre o tema: “Meu jeito de dizer que te amo” e o título do post deve ser esse mesmo. Mas ATENÇÃO: desta vez não haverá prazos, o concurso é válido SOMENTE para o dia 12 de JUNHO.
Assim que postar o seu texto, visite-nos no Espaço Aberto e deixe lá o seu link para que possa participar do concurso.

Contamos com a sua participação!
Até sábado!

Todas as informações sobre o concurso poderão ser encontradas e as dúvidas tiradas nos seguintes blogs:

http://bomruim.blogspot.com/
http://jardimdasan.blogspot.com/
http://lienemarcia.blogspot.com/
http://lienemarcia.blogspot.com/
http://frutosdoverseiro.blogspot.com/

Will Spiler disse...

Oi. Vim agradecer por um comentário do dia 02/10/2009 no meu blog. Hehehehe! Tinha até esquecido que tinha feito um e o visitei esses dias quando li o que tinha escrito. Desculpe a demora... acho que vou até reativá-lo. Na verdade, eu tenho escrito mais no www.blahcultural.blogspot.com, que vai virar site mês que vem. Siga o Blah, pois o meu blog vai ser mais algumas coisas pessoais, comentários bestinhas... heheheh

Mas realmente agradeço sua visita. Beijos. Vou seguir você.

www.blahcultural.blogspot.com

Michele Mitsue disse...

Senti muito isso com o céu de Guarapuava, e que céu!
Muito interessante as fotos do cemitério, mas....por que as do cemitério? rsrssr
Beijos.